terça-feira, 25 de agosto de 2009

O talvez

Talvez espere do céu,o que na terra caiu
Talvez vivamos querendo,o que na verdade temos
E andemos cegos,a dar mais voltas que o mundo
Talvez estejamos certos,ou talvez mais errados ainda
Talvez certeza se escreva,com uma língua que nem falamos
Talvez fiquemos aqui,imaginado em que mundo estamos
Nos esquecendo da vida,que nos espera de algum canto
Talvez é a certeza,que mais temos na vida
Talvez pode ser melhor,mas talvez não decidi nada
Talvez sim,talvez não,talvez seja
Talvez sejam os acasos da irrelevância
Mais precisos que os fatos da própria certeza


2 comentários:

Alan Félix disse...

E se não existisse "talvez", o que usariamos para descrever a dúvida corriqueira da vida.

Belo poema, meu caro, existe vivacidade nas linhas que escreve.

Bia Ferreira disse...

é menino.. talvez sim, talvez não, talvez nada... eu não gosto disso.. sou maniqueista as vezes gosto muito do sim ou não.. preto ou branco...