domingo, 30 de agosto de 2009

So teu ouvido entende coisas que digo
Nessas más línguas que falamos nos dois
So o teu passo que anda comigo
Seja no ontem,agora ou depois
So tua loucura não é desespero
Quando me acho num tom disperso
Seja num simples devaneio
Ou no mais longo regresso
Noutros lugares que tão distantes
Esquecemos de voltar...
Se te perderes,olhe meu mapa
Me desenhei nas estradas
E se chegar onde nem fui,mesmo assim
Encontrará lá,um pedaço de min
E se eu piso em falso,não caio no chão
Te coloquei la no alto pra não derrubar
E segurando nos astros eu pego em tua mão
Minha cara amiga,eu não paguei por você
Mas sai muito caro te perder

Escrito pra uma amiga minha,a quem muito prezo.Quem é,sabe...

2 comentários:

Alan Félix disse...

Muito foda esse trecho:

"Me desenhei nas estradas
E se chegar onde nem fui,mesmo assim
Encontrará lá,um pedaço de min"

Acho que nos dois versos ou nas duas linhas finais do texto deu uma caida no ritmo e intensidade.

Abraço!

Uriálisson disse...

é,percebi que o final ficou estranho,mas não sei...queria dizer aquilo,mas a forma que não se encaixou com o resto do texto