terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Não muito distante

La onde vou...
Onde perde os sentidos
Onde chora-se o pranto
Onde abrem-se os risos
Onde o ar nos sufoca
Onde a sombra se esconde
Onde a mão que nos toca
ja não sabe-se onde

Onde a dor que nos fere
ja não deixa mais marcas
Onde toda certeza
ja não é mais exata
Onde aquilo que cura
também é o que mata
Onde a luz que revela
é a mesma que apaga
Onde o tempo que passa
ja não tem mais idade
Onde o amor que se foi
hoje é apenas saudade
Onde quem mais nos vê
é o olho da rua
Onde o frio de doer
é também o que sua

Onde a guerra não mata
mas a paz nos engana
Onde quem eu amei
não esta mais na cama
Onde a glória dos dias
não foi so nas vitórias
Onde quem nos governa
é apenas escória

Onde nunca se acha
e nem acha-se onde
É apenas a vida
a vida dos homens...

fui fazendo isso como se fosse uma musica,quanto tocar melhor quem sabe eu ponha o som que imaginei em cima dela.Tava tentando dormir e um monte de versos me pertubavam,não sei se ficou bom,mas pelo menos botei pra fora

2 comentários:

Bia Ferreira disse...

engraçadas são as suas explicações... ficou ótimo querido
beijossss

Natália Corrêa disse...

Caramba, ficou muito bom!
Inventei um ritmo em minha cabeça, mas queria ouvir a melodia que você imaginou.