domingo, 23 de janeiro de 2011

Viajar
Apenas onde possa me perder


Pertencer
Apenas ao que me mantém livre

5 comentários:

gabriela marques. disse...

Quando pequena queria ser borboleta, elas são livres, vivem pouco e são tão belas, além de terem que passar por metamorfose para virarem o que são. Ser lagarta, depois borboleta, assim eu sou: preciso passar por alguns momentos, pertecer à alguns, me libertar de outros e então torna-me livre como uma.

Iiiih, viajei. Me fez muito refletir.
Sorri ao te ler.
Imenso beijo, ótima semana.

Ana disse...

pertencer somente ao me faz livre...
viajar por onde eu possa me perder... caminhos de Amor!

Natália Corrêa disse...

pertencer a viagens. *-*

por Luma Pinto Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
por Luma Pinto Oliveira disse...

Seus textos fazem viajar, gosto. =)
Aah, sim, sobre o que vc escreveu lá no blog: É, a arte te faz pensar no que o autor disse sobre a obra e no que você tem a dizer/pensar sobre a obra.
Pra publicidade, em quase todos os casos, não é útil. Salvo alguns exemplos como a propaganda da Folha de São Paulo com a foto de Hitler feita em pontinhos, que não deixa dúvida quanto à intenção. Se quiser ver, http://www.youtube.com/watch?v=6t0SK9qPK8M