segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010


Ao nascer de uma estrela
Fez cantar todo universo
O brilho de sua grandeza

Ao virar buraco negro
Quis o cosmo ser um vácuo
Para que ninguém ouvisse
o choro de sua tristeza

2 comentários:

Alan Félix disse...

nascedouro de caos e cosmos.

Cristiano Contreiras disse...

Singelo, intenso. Parabens pelo blog, te sigo!