quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Das coisas


Me levo ao risco do pensamento
entre o salto que dou sem destino
sem ter medo de chegar
onde nem sabe-se onde

Margeio a loucura
habito nos sonhos
minha realidade ainda não vivida
Sair do meu porto seguro
Ter medo apenas de ficar ileso
Desafiar o consolo que me dão
E não crer que é assim mesmo

Do que plantei no jardim
Não sei o sabor da fruta
Mas arrisco-me a sorte
De ver se a beleza da flor
Foi o amargo sabor da vida
Ou o doce gosto da morte

...

A vida apenas é risco
escrito no papel do universo
A vida é apenas um risco
que Deus esqueceu entre seus versos

3 comentários:

Bia Ferreira disse...

"Deus esqueceu entre seus versos"... isso é muito forte... um dos melhores aqui.

Camila Rosa disse...

Realmente a vida é um risco, profundo demais... Parabéns!

Cristiano Contreiras disse...

Pertubaçoes do sentido, da mente ou da alma? abraço